Archive | junho, 2013

Independence Day 2 [ Data de lançamento ]

26 jun

A 20th Century Fox definiu a data de lançamento de Independence Day 2 (que pelo visto não se chama mais ID Forever): 3 de julho de 2015. Anteriormente, dizia-se que seria uma história dividida em dois longas-metragens, mas no comunicado o estúdio só cita um único filme.

A trama se passará um quarto de século depois do primeiro longa, de 1996. “Os humanos sabiam que um dia os alienígenas voltariam. E sabem também que a única forma de realmente viajar pelo espaço é pelos ‘buracos de minhoca’. Então para os aliens poderia levar duas ou três semanas, mas no tempo da Terra isso seria 20 ou 25 anos”, teoriza o diretor Roland Emmerich sobre o contra-ataque dos aliens na continuação.

Bill Pullman, que viveu o presidente dos EUA no original, retornará, mas o herói deve ser um personagem inédito e mais jovem.

Depois de descartar a presença de Will Smith em Independence Day 2 por conta do alto salário do ator, o diretor Roland Emmerich afirmou em um evento em Nova York (via Bleeding Cool) que gostaria que Smith fizesse uma participação especial na sequência, para “passar a tocha” para o os novos personagens. Basta saber então se a Fox estaria disposta a pagar por essa participação especial.

Ainda não há um cronograma de filmagem anunciado. Independence Day 2 estreia em 3 de julho de 2015.

Independence Day (1996) ganhou o Oscar de melhores efeitos visuais.

Making Of Independence Day

Uma Cilada Para Roger Rabbit | 25 anos

24 jun

Texto: Natália Bridi [ Omelete ]
Traições, conspirações, assassinatos e desenhos animados. Uma Cilada para Roger Rabbit (Who Framed Roger Rabbit) une a era de ouro da animação ao cinema noir e chega aos 25 anos com o mesmo vigor da época do seu lançamento.

Fruto de uma longa gestação, um orçamento estourado, do carisma do produtor Steven Spielberg e do esmero do diretor Robert Zemeckis e do animador Richard Williams, a mistura de animação e live-action continua impressionante. Ainda mais quando se leva em conta que a interação entre desenhos e o mundo real foi feita de forma quase artesanal, em uma época onde a tela azul era novidade e os efeitos em computação gráfica ainda engatinhavam.

Além do visual, a longevidade de Uma Cilada para Roger Rabbit também se deve ao roteiro. Apesar do verniz de “filme para a família”, o texto primoroso de Jeffrey Price e Peter S. Seaman (baseado em Who Censored Roger Rabbit?, de Gary K. Wolf), foi concebido para o público adulto. O resultado são dois filmes: um visto na infância, cheio de piadas físicas e de personagens fofos (prontos para se tornarem bonecos e produtos), e outro visto na maturidade, com pequenos detalhes sórdidos que mostram a complexidade do filme e sua qualidade enquanto “comédia noir”.

Spielberg não conseguiu liberar em tempo Popeye, Tom e Jerry, Luluzinha, Gasparzinho e os personagens do estúdio Terrytoons (com exceção do Super Mouse). Porém, o produtor foi fundamental na hora de convencer a Warner Bros. a liberar suas criações para a Disney. Além dos US$ 5 mil pagos por cada personagem, o filme precisava atender algumas exigências, como dar o mesmo tempo em cena para personagens icônicos da Warner e da Disney. É por isso que Pernalonga e Patolino dividem a tela com Mickey e Pato Donald, garantindo que os personagens tivessem o mesmo número de frames.

Durante as filmagens, um dos maiores desafios foi a interação dos personagens animados com os objetos e atores reais. O efeito final foi resultado de duas técnicas: alguns objetos, como o charuto do bebê Herman e os pratos que Roger quebra na própria cabeça, eram movimentados no set por meio de máquinas de movimento presas a um operador. Na pós-produção, o personagem era simplesmente desenhado sobre a máquina. A cena do clube Ink & Paint seguia na mesma linha, os copos movimentados pelo bartender polvo são controlados como marionetes e as bandejas dos pinguins garçons eram grudadas em bastões. Tanto os bastões como os fios foram removidos e os desenhos foram adicionados. Já na sequência que se passa em Toontown, a tela azul foi a técnica escolhida, com Bob Hoskins interagindo com o mundo que seria criado na pós-produção.

Uma Cilada Para Roger Rabbit foi uma das produções mais caras da década de 1980. Com um orçamento inicialmente previsto para US$ 29,9 milhões (um recorde para um filme de animação), o filme chegou a custar US$ 70 milhões e só não foi cancelado por conta dos esforços (e da simpatia) de Steven Spielberg.O investimento foi recompensado, conseguindo a segunda maior bilheteria de 1988 (atrás apenas de Rain Man) e arrecadando um total de US$ 329,8 milhões.

Sete anos se passaram até que Uma Cilada para Roger Rabbit saísse do papel. O mesmo processo lento acompanha a sequência, planejada desde o sucesso do original nas bilheterias. Depois de muitas versões de scripts e testes de efeitos especiais rejeitados, o último roteiro ainda aguarda a aprovação da Disney – leia mais. Contudo, se depender da persistência de Zemeckis, a continuação tem chances de sair do papel. Em 1982, o diretor foi rejeitado pela Disney pois seus filmes anteriores, I Wanna Hold Your Hand e Carros Usados, foram fracassos de bilheteria. Em 1985, ele foi finalmente contratado para a direção de Roger Rabbit, apoiado pelo sucesso de Tudo Por Uma Esmeralda e De Volta Para O Futuro.

Texto: Natália Bridi [ Omelete ]

Editores pelo Mundo [ Stuart Baird ]

20 jun

Stuart Baird (30 de novembro de 1947) é um editor e diretor de cinema inglês.

O primeiro trabalho de Baird na indústria do cinema foi em 1968 como assistente do diretor Lindsay Anderson no filme “if”.

Em seguida, ele trabalhou como assistente de edição no filme The Devils. Dois anos depois ele trabalhou pela primeira vez como editor, no telefilme Dr. Jekyll and Mr. Hyde. Em seguida ele trabalhou mais duas vezes como assistente, em That’ll Be the Day e Mahler.

Em 1975 ele editou Tommy, musical baseado no álbum homônimo da banda The Who. No ano seguinte ele editou o filme The Omen. Em 1978.

Baird editou Superman, recebendo sua primeira indicação ao Oscar de Melhor Edição.

Nos anos seguintes, ele trabalhou em filmes como Ladyhawke, Lethal Weapon, Gorillas in the Mist: The Story of Dian Fossey, Lethal Weapon 2, Die Hard 2, The Last Boy Scout e Demolition Man.1 Por Gorillas in the Mist, Baird foi indicado a seu segundo Oscar.

Em 1996, Baird dirigiu seu primeiro filme, Executive Decision. Dois anos depois ele digiriu seu segundo longa, U.S. Marshals. Em 2002, Baird dirigiu seu terceiro e último filme, Star Trek Nemesis, o décimo longa da franquia Star Trek.

Em 2005, após um intervalo de três anos, ele voltou a edição com o filme The Legend of Zorro. Nos anos seguintes ele editou filmes como Casino Royale, Salt, Green Lantern e Skyfall.

Superman – The Movie [ 35 anos ]

19 jun

Este ano estreia nos cinemas Man of Steel (no Brasil, O Homem de Aço), dirigido por Zack Snyder, produzido por Christopher Nolan e escrito por David S. Goyer. Baseado no personagem Superman da DC Comics, o filme será um reboot para o Superman nos cinemas. No Brasil a estreia ocorrerá no dia 12 de julho de 2013.

Fato interessante é que neste ano é comemorado também 35 anos de Superman – The Movie. Em sua estréia em 1978, o filme recebeu aclamadas críticas e um grande sucesso de bilheteria.
Foi premiado com Oscar de melhores efeitos visuais e três indicações, nas categorias de melhor som, melhor trilha sonora e melhor edição.

Making Of

Direção:
Richard Donner

Elenco original:
Christopher Reeve
Gene Hackman
Margot Kidder
Marlon Brando

Música:
John Williams

Edição:
Stuart Baird

Rede Século 21 investe em Alta Definição

18 jun

Dedicada à evangelização, a emissora católica do interior paulista entrou na segunda fase da integração do fluxo de trabalho em HDTV, com novas soluções para gerenciamento de mídia, arquivamento e controle de exibição.

A migração previu um investimento em toda infraestrutura de banda base e inclui matrizes de vídeo Grass Valley Concerto, com 128 canais, além de modulares Harris essenciais ao processamento de sinais.

A Rede Século 21 é transmitida para mais de 25 milhões de lares pela antenas parabólicas, em 130 cidades por sinal aberto.

Confira a matéria completa da Revista Panorama Audiovisual clicando aqui [ Páginas 38 – 56 ]


Projeto Arena do Som, produzido pela Rede Século 21

Videos canal do Youtube Rede Século 21
www.rs21.com.br

Humanitarian [ Making Of ]

18 jun

Filme finalista do prêmio Profissionais do Ano da Rede Globo 2013 (Sudeste/Interior), produzido pela Paprika Filmes, com criação da Portal Publicidade e trilha sonora da MSG Digital, para a Humanitarian Calçados.

Assista o Making Of:

Jabor editado

17 jun

Resolvi compartilhar com meus amigos editores esse vídeo que assisti hoje. Comecei a ver diversos comentários sobre as manifestações que estão ocorrendo no Brasil, e muitos estavam criticando os comentários do Arnaldo Jabor.
Enquanto eu peregrinava na net, mais especificamente no site Não Salvo, vi um vídeo dos comentários do Arnaldo Jabor editado. Assistam, e tirem suas conclusões. É melhor com ou sem edição.

Editado:

Original:

Sexta Curta | Bud’s Songs Time

14 jun

Texto: Willian Matiola

Bud’s Songs Time é um curta metragem produzido e dirigido pelo designer Hélder Nóbrega como trabalho de conclusão de curso da Escola Melies, em São Paulo. Foram longos 10 meses para criação da animação, que também teve a participação da Mellon Studios desde a ideia inicial.

O curta já foi selecionado para alguns festivais, como o Anima Mundi 2012 e o 20º Curtas Vila do Conde, Portugal.

Direção, Design e Animação: Hélder Nóbrega
Trilha e Sonoplastia: Daniel Amaro e Hélder Nóbrega
Violão: Ricardo Lima
Vozes: Mauro Castro e Ulisses Bezerra

Posters e Stills


06-concept-bud

07-concept-roxx

04-concept

03-concept

18-animamundi-select

05-BudsSongsTime_still02

bud-posters

14-BudsSongsTime_still01

15-BudsSongsTime_still03

Creditos do Post: ChocoLaDesign

 

 

Making of “Greatness Awaits” – PS4

14 jun

A The Mill uniu-se ao diretor Rupert Sanders e a agência BBH para realizarem o novo comercial para a PlayStation. Intitulado Greatness Awaits, o filme segue “o herói”, enquanto ele anda na rua e ao virar a esquina, um mundo onde tudo é relacionado ao PlayStation é revelado. Um show de pré e pós produção. Se você ainda não viu o comercial, confira AQUI.

Créditos:

Agencia: BBH (NY)
Produção Company: MJZ
Diretor: Rupert Sanders
Editor: Neil Smith
Post-Production / VFX Company: Mill NY

Assista ao Making of:

[ Abertura ] Amor à Vida

13 jun

Texto: André Luiz Sens

A nova novela das 21h, Amor à Vida, retoma a discussão sobre o amor e o que as pessoas são capazes de fazer por ele.

A equipe de videografismos da Rede Globo, resolveu buscar o animador e artista americano Ryan Woodward para a criação da abertura.

Apesar de ter trabalhado em grandes estúdios de Hollywood, ele ficou famoso com seu tocante e refinado curta “Thought of You”, uma animação 2D em traços propositalmente pouco refinados, na qual apresenta um casal de bailarinos formando movimentos fluidos, gestuais românticos e surpreendentes efeitos visuais. Na vinheta de Amor à Vida, não há nada muito diferente. O conceitos, as formas e os movimentos são semelhantes. As diferenças estão no formato de abertura e no fundo que apresenta cenas estilizadas de São Paulo. Parece que a Globo queria exatamente a mesma coisa, o que demonstra um tremendo disperdício. Chamar um talento criativo dos Estados Unidos para executar algo extremamente parecido com o que já foi feito por ele e já visualizado por milhares de pessoas na internet é algo que parece não fazer muito sentido. O Doodle desenvolvido em homenagem a Martha Graham, executado em 2011, trata justamente de outro produto que soube aproveitar de maneira mais inventiva a mesma ideia. Apesar da animação excepcional, todo o potencial de surpresa da abertura foi sublimado com a sensação de dejavú.

Tanto o logotipo, quanto os créditos são formados por tipografias caligráficas, condizentes com a estética das personagens. Em Sangue Bom e Flor de Caribe foi utilizado o mesmo critério: a fonte dos demais componentes textuais ”combinam” com a marca. Entretanto, parece que a falta de costume de usar tipos diferentes em seu créditos ainda não fez com que realizassem que não é preciso seguir a risca o método de empregar fontes necessariamente semelhantes com a marca ou com o restante da animação. Sem falar na escolha de letras extremamente rebuscadas, no caso dos créditos, que prejudicam a leiturabilidade. Em geral, uma fonte moderna pode conjugar muito bem com uma fonte mais rebuscada do logotipo. Principalmente no caso da televisão e do cinema, em que não é preciso depender somente das formas da letras como ferramenta expressiva, mas também dos movimentos, do som e da formas dinâmicas de composição.

Falando em repetição, vale ressaltar no logotipo a presença de dois corações, um na crase e outro nas ondas da letra Uma das duas proposições já seriam suficientemente representativas. Uma exagero de obviedades, que atenua toda a sutileza e a poesia da animação.

Aliás, a sutileza cai por terra, quando a animação é acompanhada pela interpretação questionável de Daniel da linda canção de Gonzaguinha “Maravida”. O tom demasiadamente melodramático, culminando com o refrão extremamente cansativo “Vida, vida, vida” causa certa angústia. Para atenuar isso, a abertura já recebeu algumas pequenas correções de mixagem (e ortográficas). Mas se acostumamos com o kuduro de Avenida Brasil com seu inesquecível “Oi, oi, oi”, nada impede que essa possa ser a sua marca registrada ou motivo de piada nas redes sociais.

Making of “Thought of You”

Ficha Técnica
Ano: 2013
Canal: Rede Globo
Produção: Alexandre Pit Ribeiro, Roberto Stein e Cesar Rocha
Animação: Ryan Woodward
Trilha: “Maravida”, de Gonzaguinha por Daniel

Postado por André Luiz Sens no Blog Televisual

Como ser um colaborador do Oeditor.com

12 jun

Recebemos diversos e-mails de interessados em colaborar e integrar a equipe do Oeditor.com. São pessoas que querem transmitir seus conhecimentos e ensinar aos outros o que eles sabem de melhor a respeito de suas áreas. Mas, infelizmente, não podemos colocar todos que enviam e-mail na equipe, porque acabaria se tornando inviável gerenciar um grupo muito grande de pessoas. Então, como uma maneira de solucionar esse problema que nos assola há um bom tempo, decidimos abrir um espaço para que qualquer pessoa possa contribuir com o blog. Se você escreveu um artigo bacana mas não tem onde publicá-lo e gostaria que isso acontecesse, envie pra gente! Se ele for realmente interessante e conseguir construir um conhecimento pertinente ele certamente será publicado.
Para onde devo enviar? Você deve enviar todos os itens para contato@oeditor.com

Veja algumas diretrizes que você deve seguir:

  1. Posts que contenham cenas de sexo, apologia às drogas ou que incentivem qualquer forma de discriminação serão ignorados;
  2. Seu post deverá conter, no mínimo, 300 palavras;
  3. Recomendamos o uso de imagens e vídeos para ilustrar seu post, pois o torna mais atrativo aos leitores;
  4. Ele deve ser de sua autoria. Caso haja trechos de posts, livros, revistas ou qualquer tipo publicação que não seja de sua autoria, deverá ser devidamente citado no fim do post.
  5. É imprescindível o uso de uma linguagem clara e objetiva. Lembre-se que você estará escrevendo para usuários de todos os níveis de conhecimento.

O que devo enviar?

  1. Seu artigo no formato wordpdf ou doc;
  2. Uma breve descrição sobre você;
  3. Suas redes sociais;
  4. As imagens deverão ser enviadas em anexo no e-mail, e para os vídeos basta enviar o seu link no corpo do mesmo.

Para onde devo enviar? Você deve enviar todos os itens para contato@oeditor.com

Créditos: Texto baseado em ChocoLaDesign

Quero trabalhar com vídeo. Como, quando e onde?

12 jun

Se você é do Rio de Janeiro ou toparia passar uma manhã sábado na cidade maravilhosa fazendo um curso; está aqui uma ótima oportunidade. Sábado, 15 de junho, no Rio de Janeiro. Videografismo e Efeitos Visuais, com Uno de Oliveira, Editor de Videografismo na TV Globo.

Esse curso é destinado às pessoas que queiram conhecer a área de videografismo e efeitos visuais. Muito se fala sobre este mercado que é relativamente novo e está em alto crescimento.

Se você quer trabalhar com motion ou está procurando uma alternativa dentro do universo do design, essa é uma boa oportunidade para entender melhor quais as ramificações e possibilidades dentro da área.

No curso serão abordados os principais softwares e processos utilizados, análise de making ofs e do mercado internacional que está numa fase crucial na indústria do cinema.

Serão abordados os seguintes temas:

Entendimento das áreas e subdivisões:
Motion Design
Composição de Efeitos
3D
Animação 2D
Produção/Supervisão
Áreas paralelas

Mercado nacional e internacional de VFX e Motion Design:
Cinema
Televisão
Shows
Internet e novas mídias

O curso será ministrado por Uno de Oliveira; que é formado em Design Gráfico pela ESPM-Rio. Atualmente é um dos realizadores do Insert e trabalha como Editor de Videografismo no núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento para efeitos visuais da TV Globo. Já participou como compositor de efeitos para TV em projetos como “Cordel Encantado”, “Avenida Brasil”, “Afinal o que querem as mulheres?” entre muitos outros. Trabalhou na Conspiração Filmes para a realização do filme “O Homem do Futuro”


Mais informações:
www.easyaula.com.br

Primeiro comercial para o PlayStation 4

11 jun

Ontem a Sony anunciou o lançamento do novo Playstation 4. E aproveitou pra lançar o novo comercial, uma espécie de manifesto que introduz o conceito “Greatness Awaits”.

Um show de computação gráfica, mostrando um universo imaginário com monstros, robôs, esportistas e criaturas místicas num mesmo cenário.

Assista em HD.

[ Abertura ] Sangue Bom

7 jun

Texto: André Luiz Sens

A novela Sangue Bom é uma comédia romântica contemporânea, ambientada na cidade de São Paulo. O casal protagonista principal é formado pela famosa, rica e mimada it girl Amora (Sophie Charlotte) e o florista sensível e simples Bento (Marco Pigossi). Os conflitos e enlaces dessa relação de encontros e desencontros é uma das histórias dessa trama leve e bem-humorada.

A abertura justamente se concentra nos dois temas apresentados pelo casal: o fenômeno it girls e a floricultura. A animação 3D explora os elementos desses universos, misturando flores, pedras, tecidos e cores de forma bastante dinâmica, psicodélica e surreal.

Personagens de jovens meninas aparecem dentre esses elementos, como um um sonho mágico. Representam essas garotas que se transformam em referência de estilo e moda graças à internet, compartilhando seus pensamentos e gostos através de blogs e redes sociais.

A estética tridimensional, estilizada e cartunesca empregadas nessas personagens, talvez esteja relacionada com uma intenção de estabelecer uma associação entre essas garotas, inseridas em universo virtual glamurizado, com os avatares de mundos virtuais, como Second Life ou The Sims. Mas a modelagem e animação artificiais e os movimentos robotizados, típicos desses games, transformaram-nas em bonecas um tanto inexpressivas e em contraste e desarmonia com o restante da animação bastante orgânica e fluida.

Outro aspecto que tentou ser evidenciado na abertura é o urbano. Porém, esse conceito foi muito maior e melhor explorado nos teasers e chamadas, através da estética do grafitti, a partir de lindos grafismos estilizados e coloridos em muros pela cidade de São Paulo. Na vinheta, essas animações foram simplesmente suprimidas e a ideia do graffiti ficou restrita apenas à tipografia dos créditos e da assinatura. Um retrocesso, pois essa nova resolução pareceu meio forçada e ilógica, já que o restante da vinheta em nada lembra a ideia e linguagem de street art.

Aliás, a comunicação visual promocional se distanciou em muito do resultado de embalagem do produto final, o que revela um desalinhamento total de construção de identidade. Nesse sentido, vale destacar algo curioso.

Foi divulgado extraoficialmente o que seria a marca da novela, com um letreiro completamente orgânico e delicado, muito mais alinhado formalmente com o resultado da animação final. Essa proposta parece ter sido apresentada, mas não foi aprovada. Optou-se pela marca “grafitada”.

Ficha Técnica

Ano: 2013
Canal: Rede Globo
Produção: Alexandre Pit Ribeiro, Alexandre Romano e Flavio Mac
Trilha Sonora: “Toda Forma de Amor”, de Lulu Santos por Sambô

Postado por André Luiz Sens no Blog Televisual

PRODUTORA | Oeditor.com

6 jun

Clique aqui e peça um orçamento!

Peça um orçamento pelo e-mail:
contato@oeditor.com

[ Abertura ] Dona Xepa – Making Of

6 jun


www.tvb.com.br

JOHNNIE WALKER – KEEP WALKING

5 jun

A Johnnie Walker desafiou alguns cineastas a se expressarem através de um curta-metragem situações que evidenciam valores como “não se acomodar”, “seguir em frente”, “persistir”.
Agora, você tem a chance de dar um passo adiante clicando abaixo para assistir os curtas premiados no concurso: