Uma Cilada Para Roger Rabbit | 25 anos

24 jun

Texto: Natália Bridi [ Omelete ]
Traições, conspirações, assassinatos e desenhos animados. Uma Cilada para Roger Rabbit (Who Framed Roger Rabbit) une a era de ouro da animação ao cinema noir e chega aos 25 anos com o mesmo vigor da época do seu lançamento.

Fruto de uma longa gestação, um orçamento estourado, do carisma do produtor Steven Spielberg e do esmero do diretor Robert Zemeckis e do animador Richard Williams, a mistura de animação e live-action continua impressionante. Ainda mais quando se leva em conta que a interação entre desenhos e o mundo real foi feita de forma quase artesanal, em uma época onde a tela azul era novidade e os efeitos em computação gráfica ainda engatinhavam.

Além do visual, a longevidade de Uma Cilada para Roger Rabbit também se deve ao roteiro. Apesar do verniz de “filme para a família”, o texto primoroso de Jeffrey Price e Peter S. Seaman (baseado em Who Censored Roger Rabbit?, de Gary K. Wolf), foi concebido para o público adulto. O resultado são dois filmes: um visto na infância, cheio de piadas físicas e de personagens fofos (prontos para se tornarem bonecos e produtos), e outro visto na maturidade, com pequenos detalhes sórdidos que mostram a complexidade do filme e sua qualidade enquanto “comédia noir”.

Spielberg não conseguiu liberar em tempo Popeye, Tom e Jerry, Luluzinha, Gasparzinho e os personagens do estúdio Terrytoons (com exceção do Super Mouse). Porém, o produtor foi fundamental na hora de convencer a Warner Bros. a liberar suas criações para a Disney. Além dos US$ 5 mil pagos por cada personagem, o filme precisava atender algumas exigências, como dar o mesmo tempo em cena para personagens icônicos da Warner e da Disney. É por isso que Pernalonga e Patolino dividem a tela com Mickey e Pato Donald, garantindo que os personagens tivessem o mesmo número de frames.

Durante as filmagens, um dos maiores desafios foi a interação dos personagens animados com os objetos e atores reais. O efeito final foi resultado de duas técnicas: alguns objetos, como o charuto do bebê Herman e os pratos que Roger quebra na própria cabeça, eram movimentados no set por meio de máquinas de movimento presas a um operador. Na pós-produção, o personagem era simplesmente desenhado sobre a máquina. A cena do clube Ink & Paint seguia na mesma linha, os copos movimentados pelo bartender polvo são controlados como marionetes e as bandejas dos pinguins garçons eram grudadas em bastões. Tanto os bastões como os fios foram removidos e os desenhos foram adicionados. Já na sequência que se passa em Toontown, a tela azul foi a técnica escolhida, com Bob Hoskins interagindo com o mundo que seria criado na pós-produção.

Uma Cilada Para Roger Rabbit foi uma das produções mais caras da década de 1980. Com um orçamento inicialmente previsto para US$ 29,9 milhões (um recorde para um filme de animação), o filme chegou a custar US$ 70 milhões e só não foi cancelado por conta dos esforços (e da simpatia) de Steven Spielberg.O investimento foi recompensado, conseguindo a segunda maior bilheteria de 1988 (atrás apenas de Rain Man) e arrecadando um total de US$ 329,8 milhões.

Sete anos se passaram até que Uma Cilada para Roger Rabbit saísse do papel. O mesmo processo lento acompanha a sequência, planejada desde o sucesso do original nas bilheterias. Depois de muitas versões de scripts e testes de efeitos especiais rejeitados, o último roteiro ainda aguarda a aprovação da Disney – leia mais. Contudo, se depender da persistência de Zemeckis, a continuação tem chances de sair do papel. Em 1982, o diretor foi rejeitado pela Disney pois seus filmes anteriores, I Wanna Hold Your Hand e Carros Usados, foram fracassos de bilheteria. Em 1985, ele foi finalmente contratado para a direção de Roger Rabbit, apoiado pelo sucesso de Tudo Por Uma Esmeralda e De Volta Para O Futuro.

Texto: Natália Bridi [ Omelete ]

Anúncios

Divulgue! www.oeditor.com

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s