O Filme “2012” usou o sistema Media Composer | Making Of

11 maio

Em uma era onde a audiência foi exaurida por filmes de ação com grandes cargas de violência gratuita e enredos desgastados, o filme épico 2012 do diretor Roland Emmerich foi aclamado pela crítica pelo seu realismo arrebatador, a trama intrigante e os efeitos visuais fora de série. Para os editores do filme Peter Elliot e David Brenner e os diretores assistentes Rob Malina e Rich Molina, ter os sistemas Avid Media Composer no coração da produção, do início ao fim, permitiu que eles atendessem ao cronograma apertado da produção, incorporar mais de 1.400 sequências de efeitos visuais e editar de forma colaborativa em dois países.

2012CGI

A história do filme se desenvolve em torno da profecia maia que a civilização acabará em 21 de dezembro de 2012. Conforme o núcleo da Terra sobe e a crosta do planeta começa a girar, inúmeros terremotos e tsunamis causam estragos, cidades sucumbem e a Califórnia é submersa pelo mar. Enquanto o desastre imperou na telona, o Media Composer ajudou a preveni-lo por trás das cenas.

“O Media Composer realmente desempenhou uma função fundamental, mesmo durante os primeiros estágios da pré-produção”, conta Elliot, e adiciona que ele “realmente brilhou durante o processo de pré-visualização”. A pré-visualização, explica Elliot, é como um storyboard em movimento, onde as imagens animadas por computação são usadas para mapear a ação antes de qualquer ser gravada. “A pré-visualização me dá a oportunidade de trabalhar com o diretor antes de gravar, para ver o que ele está antecipando. Particularmente, para um filme movido por efeitos, como o 2012, o Media Composer me permitiu mapear as cenas da pré-visualização e cortá-las no filme, então eu pude trabalhar mais intuitivamente, sem usar uma tela verde ou ter que imaginar como as coisas pareceriam”.

Um conto de duas cidades

A logística de se trabalhar em vários locais sempre apresenta desafios únicos, e o 2012 não foi uma exceção. “Todo o filme foi gravado em estúdios de som em Vancouver”, conta Elliot. “Eu estava trabalhando em Vancouver e David estava em Los Angeles. Roland estava trabalhando nos dois lugares, então precisamos que a equipe técnica da Sony criasse a mesma configuração em ambas as salas para manter uma consistência, mesmos monitores, mesmos autofalantes. Enviávamos e recebíamos arquivos constantemente e o sistema de armazenamento compartilhado do Unity da Avid tornou todo o processo perfeito.”

“Configurávamos um bate-papo no Skype e tínhamos os dois sistemas on-line”, acrescenta Brenner. “Trabalhando com o Unity, pudemos compartilhar as mesmas mídias e manter um fluxo de trabalho entre Vancouver e Los Angeles, que não foi nada diferente de estarmos na mesma sala”.

A dimensionabilidade do sistema Avid Unity ofereceu vantagens distintas conforme o projeto se desenvolvia e mais estações de trabalho do Media Composer eram adicionadas. “Quando enchíamos uma unidade, não era um problema simplesmente aumentar o tamanho de um volume”, explica o editor assistente Rich Molina. “O sistema inteiro é infinitamente adaptável”.

Essa adaptabilidade também permitiu que a equipe fornecesse ao diretor Roland Emmerich um ambiente de trabalho que aprimorava o processo criativo. “Tivemos o estágio de mixagem e a sala de projeção ambas conectadas ao sistema Unity”, conta o editor assistente Rob Malina. “Jogar as edições na sala de projeção foi um grande economizador de tempo e o diretor amou isso. Ele se sente muito confortável em trabalhar na sala de projeção e podia trabalhar nas edições direto de lá”.

Mantendo tudo junto

Para um editor assistente, a organização é essencial. “As responsabilidades do primeiro editor assistente incluem disseminar informações e conteúdos para praticamente todos no projeto”, conta Molina. “Somos como bibliotecários, mantendo as coisas organizadas para que todos possam encontrar o que precisam rapidamente. O Media Composer tem um grande papel no meu trabalho, organizando um catálogo gigante de efeitos visuais”.

Malina concorda, “A organização é tudo quando se está trabalhando em um filme de longa metragem. É crucial poder pegar qualquer coisa a qualquer momento e saber onde tudo está. O Media Composer e o Unity permitiram que eu permanecesse organizado. Todas as tomadas, todas minhas informações estão lá na ponta dos meus dedos e o pessoal da Sony’s Digital Picture Editorial realmente sabe como suportar uma configuração como essa.

Os olhos (e as orelhas) têm tudo

Enquanto que os lançamentos em alta definição se tornaram comuns, a integração do HD em todo o processo de produção foi, até recentemente, uma proposta de processador intensiva. Usar o Media Composer Nitris DX permitiu que Brenner e Elliot trabalhassem em Full HD do começo ao fim, melhorando significativamente o processo de edição.

“Editar em HD com o Nitris realmente mudou a maneira como trabalhamos”, conta Brenner. “Especialmente para um diretor como Roland, que prioriza tudo o que é visual, poder ver o material tão claramente nos permitiu tomar decisões assertivas sobre foco e conteúdos de cor, e para projetar nossas edições em uma tela grande. Ninguém tinha dúvidas de como as coisas ficariam”.

O outro desafio no trabalho com HD é o espaço de armazenamento, pois cada segundo de dado não comprimido demanda 1,5 GB de espaço em disco. Usar o codec DNx36 da Avid forneceu à equipe uma tecnologia de compressão que usa 80% menos espaço em disco ao passo que fornece imagens muito superiores à definição padrão. “Usar o DNx36 facilitou muito”, conta Molina. “Com esse tanto de materiais, a quantidade de espaço em disco seria realmente problemática e qualquer tipo de edição ou composição teria sido muito mais complicada”.

Os recursos de áudio estendidos no Media Composer permitiu que a equipe incorporasse muito do design de som do filme no processo de edição. “É um filme bem orientado por sons”, conta Elliot, “e o Media Composer permitiu que trabalhássemos com a manipulação do áudio. Estávamos trabalhando com três canais, uma configuração esquerda-direita-centro, e tínhamos 16 faixas que nos permitiu criar seis faixas mono e cinco pares de estéreo”.

“A capacidade de importar e exportar arquivos OMF sem interrupções do e para o Pro Tools é recurso incrível”, acrescenta Malina. “Ele realmente aprimora a comunicação entre os aspectos de áudio e vídeo da produção”.

As ferramentas de um Artista

“Para mim, o trabalho do editor é uma extensão do roteiro, somos contadores de histórias”, conclui Elliot. “O fluxo de trabalho do Media Composer é intuitivo, ele permite que eu explore diferentes opções criativas, experimentar edições variadas, e execute-as rapidamente. Isso aprimora o processo criativo tremendamente. O Media Composer tem ajudado a deixar a tecnologia mais transparente, então eu posso me concentrar no enredo”.

Anúncios

Divulgue! www.oeditor.com

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s