ALEXA XT e filme 65mm em SUNSET SONG

30 jan

Baseado na novela escrita em 1932 por Lewis Grassic Gibbon, SUNSET SONG conta a história de uma jovem mulher crescendo na zona rural da Escócia durante os primeiros anos do século 20. Adaptada para a tela e dirigida por Terence Davies, foi fotografada pelo diretor de fotografia Michael McDonough, ASC. Os equipamentos e o suporte técnico foram fornecidos pela ARRI Rental, com McDonough usando uma ALEXA XT Studio com lentes Masters Anamórficas ARRI/ZEISS para filmar cenas de estúdio com ARRIRAW e uma ARRIFLEX 765 para filmar cenas externas em 65mm. O estudo da fotografia começou no início de 2014, antes do lançamento da ALEXA 65, embora McDonough tenha tido a chance de filmar com uma câmera digital 65mm da ARRI Rental em um outro projeto. Ele fala aqui sobre suas experiências com estes diferentes formatos de alta qualidade.01

Que espécie de fotografia você e Terence queriam para o filme?
Terence tem um estilo muito preciso. Seus enquadramentos são clássicos e ele ama que a câmera se mova elegantemente e sempre com um motivo. Eu percebi que não seriam usados Steadicam ou câmera na mão, seria filmado do modo clássico, com tripé, grua e dolly.
Nosso diretor de arte, Andy Harris, teve a ideia de usar as pinturas do artista dinamarquês Vilhelm Hammershøi como nossa principal inspiração para a fotografia de SUNSET SONG. As pinturas são iluminadas por uma luz suave, direcional, aurora boreal, havia uma frieza que fazia nossa Escócia funcionar perfeitamente. A única variação era nas cenas da colheita de verão que eram mais quentes e com tons mais românticos.

Qual foi o processo para que se decidisse filmar tanto digitalmente com ALEXA e em filme 65mm com ARRIFLEX 765?
O filme estava sendo desenvolvido já há um tempo e quando eu cheguei, os produtores e Terence já haviam decidido filmar digitalmente as cenas de estúdio e com filme 65mm as cenas externas. Claro que eu concordei totalmente com esta decisão e nós também concordamos com ARRI ALEXA como, de longe, a melhor câmara digital.

03
A paisagem tem um papel forte no filme e no livro em que ele se baseia; os personagens são vistos como “parte da terra” e o filme em 65mm seria o meio perfeito para capturar a magnificência das paisagens, transformando-as com a claridade do olho humano. Por esta razão nós filmamos com diafragmas altos para segurar detalhes do horizonte distante. A sensação é quase tridimensional.

Onde vocês filmaram e como foi o cronograma?
Nós começamos com 4 dias de filmagem em 65mm na Nova Zelândia, pois precisávamos gravar cenas de colheita em uma paisagem rural que parecesse a Escócia, mas em uma locação no Hemisfério Sul onde as colheitas fossem em março. A Nova Zelândia nos forneceu isso. A produção não quis esperar para gravar estas cenas até o verão escocês.
Depois disto tivemos 20 dias de filmagens em estúdio com ALEXA em Luxemburgo, pois a Iris Productions locou as instalações da Filmland Studios, que foram disponibilizadas para nós. Então, terminamos com 13 dias, combinando 65mm e ALEXA no nordeste escocês, que sempre foi a real locação da história e a paisagem foi essencial para capturar o autêntico espírito do roteiro de Terence, adaptado da novela de mesmo nome de Lewis Grassic Gibbon (também conhecido como James Leslie Mitchell). O autor foi de fato enterrado no cemitério da igreja de Arbuthnott, que era realmente nossa locação final.

02

Quais medidas você tomou para combinar as imagens do 65mm e da ALEXA?
Primeiramente, uma ALEXA gravando em ARRIRAW foi testada lado a lado com negativos de 35mm e de 65mm para uma série de tomadas abertas de paisagens, para chegar à perfeita mistura de mídias. Foi surpreendente ou talvez não, que a ALEXA e as lentes 65mm tenham combinado perfeitamente. Quando você pensa sobre isto, o 65mm é virtualmente livre de grãos,  com algumas filtragens de luz, tanto no filme quanto no digital, a combinação e a textura realmente parece possível.
Eu falei com Steven Poster (ASC) e Carey Duffy da Tiffen e, mais tarde com Dan Mindel (ASC, BSC) e através destes debates, estabelecemos o uso de uma difusão muito leve como o meio ideal de combinar os formatos. Eu usei Tiffen Pearlescent e Black Satin, dependendo se a cena seria com tons escuros ou românticos, tanto na 765 como na ALEXA, com a finalidade de combinar os dois sistemas. Aconselhado por Steven Porter e depois por Andrew Lesnie (ASC, ACS), nós quase sempre usávamos um polarizador, dado ao alto contraste da luz do sol na Nova Zelândia. Sempre usávamos um protetor solar, que foi outra sugestão de Andrew!

05

Como vocês resolveram usar as Masters Anamórficas e o que você acha delas?
Meu primeiro assistente de câmera de Luxemburgo, Graham Johnston, é muito conhecido na ARRI de Munique e foi com ele que eu falei primeiro na ARRI Rental sobre as Masters Anamórficas, que eram novas à época. Eles nos mostraram o protótipo da 50mm e isto me impressionou, mas o que realmente me surpreendeu, cada vez mais, foi a qualidade das lentes de 35mm, 50mm e 75mm que nós usamos em SUNSET SONG. Estas eram as três únicas lentes focais então disponíveis (agora são sete), portanto tive que usar lentes anamórficas de outro fabricante para preencher as faltas. Porém, uma vez que já estávamos no set, eu pude usar só as Masters Anamórficas, pois elas eram muito definidas, perfeitamente retas e alinhadas, por toda a lente até as bordas, que era impossível combiná-las com outras marcas.
Minha lente mais aberta era uma 35mm, mas não havia nenhuma distorção dos lados da imagem. As Masters Anamórficas foram ótimas em qualquer abertura, embora nossa filmagem normal tenha sido em torno de T2.8/T4, a fim de ajudar com o diafragma mais alto nos exteriores em 65mm, e embora elas não tenham uma resposta de flare na horizontal, que o primeiro elemento da anamórfica poderia ter, elas lidaram com os flares em geral realmente muito bem. Elas também são muito leve e a correspondência dos diâmetros frontais são muito gratos pela equipe de câmera.

04

Desde as filmagens de SUNSET SONG, você tem usado a ALEXA 65 em diferentes projetos. Quais foram seus pensamentos iniciais sobre este sistema digital de 65mm?
Quando vi a primeira vez os vídeos feitos pela ALEXA 65, me fez sentir como se nós estivéssemos em um belo momento de quando o cinema estava se definindo, como em 1916. Eu fiquei preocupado sobre algumas cortinas realmente brancas que filmamos, mas a ALEXA 65 lidou muito bem com as altas exposições, exatamente como eu havia imaginado. As cortinas brilhavam, mas estavam repletas de detalhe, e os detalhes da sombra da sala eram também soberbos, parecia um filme bem exposto para mim. Para o primeiro desafio do sensor, com contraste extremamente alto, eu não poderia estar mais feliz.
A ARRI está no caminho certo com a ALEXA 65, por favor, sigam em frente! É apenas desafiar a tecnologia que avançaremos a arte e a tecnologia de igual para igual. Não é chamado de “sangrar o limite” para nada e a verdade é que é um trabalho difícil, mas vale a pena. São as mesmas chances que eles tinham no início do Século 20. Se você não agarra estas chances, você não avança na forma da arte. Estou totalmente com vocês nesses esforços.

Captura de Tela 2016-01-04 às 10.16.34

Anúncios

Divulgue! www.oeditor.com

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s